De: Carlos Eduardo N.Sette Bicalho
Para: Maria Lúcia Massot
Data: Terça-feira, 26 de Janeiro de 1999 10:04
Assunto: Ref: Favela Bairro

 

Prezada Lúcia:

Somente agora posso responder o seu lúcido e-mail do outubro. O que dizer senão que você aborda o problema com lucidez?

Escreva sempre.

No Brasil os problemas são maiores que a capacidade de o Poder Público os atender. A luta por reverter esta realidade tem sido dura e está apenas começando.

Estejam convosco a Graça e a Paz.

Sempre Mais,

Artur da Távola.


De: Maria Lucia Massot
Para: Carlos Eduardo N.Sette Bicalho
Assunto: Re: Favela Bairro
Data: Quarta-feira, 27 de Janeiro de 1999 12:52

 

Prezado Senador Artur da Távola,

Agradeço, antes de mais nada a sua resposta ao meu email. É impressionantes constatar que enviei a todos os senadores convidando-os a acessarem minha homepage sobre o projeto Favela Bairro, mas só obtive até agora resposta de dois: Roberto Requião e o senhor. A distância entre os eleitos pelo povo, quer vereadores, deputados e senadores, é tamanha e tão acintosa, que siquer se dão ao trabalho de responder aos eleitores.

Obviamente se os problemas do Brasil são maiores do que a capacidade do Poder Público em atendê-los, o Poder Público deveria delegar à população a sua solução. Certamente entre nós, povo, encontrarão pessoas capazes e dispostas a apresentar soluções. É o que estou tentado fazer com o Favela Bairro no Rio.

Encontrei por parte das autoridades municipais no governo Cesar Maia e Conde apenas arrogância e autoritarismo, inconcebíveis nos dias atuais. Não é possível que o cidadão tenha que dispender enormes somas de dinheiro para poder lutar na Justiça contra o Poder Público, simplesmente porque esse não cumpre as leis ou ignora os direitos de todos. A luta é extremamente desigual já que eles dispõem de Procuradores, pagos com os impostos dos contribuintes, para lutarem pelos desmandos das autoridades na Justiça. Além de que, o tempo físico para os órgãos públicos não é o mesmo que o nosso, cidadãos, simples mortais. As ações judiciais levam anos, algumas mais de 25 anos, e a Prefeitura tem todo o tempo do mundo.

Alguma coisa está podre no Reino da Dinamarca.

O Senado quer agora aprovar uma lei imoral, ditadora. Algo tem que ser feito para que os senadores caiam na realidade que apenas agem de forma anti-democrática ao aprovarem leis como abaixo na reportagem do Jornal O Globo. (ver: http://www.geocities.com/Athens/Crete/6913/report/report25.htm)

Por isso estou lutando. Poderia me mudar do Brasil, mas não acho que seja uma solução.

Agradeço mais uma ver o seu email.

Atenciosamente,

Maria Lucia Massot


De: Carlos Eduardo N.Sette Bicalho
Para: 'Maria Lúcia Leone Massot'
Assunto: RE: Favela Bairro -
Do Senador Artur da Távola
Data: Segunda-feira, 1 de Março de 1999 13:26

Grato pela mensagem de retorno. É isso, Maria Lúcia. A vida é luta. É prosseguir mesmo desencantada. Como dizia o poeta "O bem é uma subida que não cansa".

Saudações.

Artur da Távola