De: Lucia
Para:João Brasileiro
Data: Domingo, 18 de Outubro de 1998 00:51
Assunto: Favela Bairro

 

Não sei aonde você mora. Mas venha aqui no Recreio ver o que é o Favela Bairro Canal das Taxas. Os favelados que você fala que vivem como animais tem carro do ano e já colocaram piscina nas casas dadas de presente com o seu (e dos contribuintes) dinheiro quando foram removidos (alguns deles). Possuem telefone que no Recreio custa mais de 1.500 reais e celular. Você deve estar sendo iludido pela propaganda da mídia e do governo Cesar Maia. Venha aqui. Eu o convido para passar um dia no Recreio e eu pessoalmente o levarei para conhecer as favelas. As favelas que você conhece apresentadas na propaganda não chegam perto dessas. Se você não entendeu o que escrevi venha aqui, aonde até os pobres se horrorizam com o que o Governo Conde e Cesar Maia estão implantado e compactuando com as favelas.

Maria Lucia


De: João Brasileiro
Para: Maria lucia
Data: Terça-feira, 20 de Outubro de 1998 13:22
Assunto: Re: Favela Bairro

Oi Maria Lúcia

Primeiro quero te agradecer pela atenção de ter me mandado esses e-mails e também pelo convite que vc me fez para conhecer a situação do Recreio.Agora podemos fazer alguns esclarecimentos:

-Não faço parte deste governo, nem de qualquer outro, pois eu sou, assim como vc, apenas um cidadão carioca, comum, com direitos e deveres.

-Eu talvez não possa ter entendido o que vc escreveu, mas eu conheço o Recreio e reconheço que não tenho como argumentar se o Recreio (área nobre do Município) se desvalorizou ou não, portanto não duvido do que vc escreveu, apenas não concordei com o seu pensamento a respeito. Vc, portanto é que está sentindo esta desvalorização do seu lugar como moradora e respeito a sua opinião, até porque, como já disse, não tenho nem como contestá-la.

-Eu não me considero iludido com nenhuma propaganda, moro no Maracanã, ali perto da Mangueira, área sempre pouco valorizada e respeitada e que com o governo César Maia ganhou uma atenção que nunca havia recebido de nenhuma prefeitura. A Mangueira mudou demais é outra coisa realmente, o meu bairro teve um fenômeno diferente do seu, ele valorizou. Vi o lugar onde moro ficar um pouco mais bonito. Além da guarda municipal ter dado muito maior segurança ali naquela área em torno do Maracanã, que era impraticável.

-Concluo que vivemos realidades distintas, entendo que se eu tivesse na sua situação talvez ficasse horrorizado vendo minha área que sempre foi nobre invadida por pessoas que querem tirar proveito da situação (não os pobres realmente, e sim os "espertos"). Como sempre morei em lugares mais simples, apenas tiro que meu lugar ficou mais bonito e valorizado.

A população carente continua lá (com um nível social melhorado nos últimos anos)e agora vive em um lugar melhor.

-Entendo suas razões para no dia 25 ir lá e cravar 12, pois vc está sendo prejudicada pelo Conde e a situação atual. Espero que vc também entenda as minhas,que penso simplesmente o oposto de vc em relação ao César Maia. Vivemos numa democracia e a urna é o seu importante é que tenhamos consciência do voto que estamos dando. Para terminar peço desculpas se eu te ofendi de alguma forma com aquela pois nem de longe era minha intenção.

Um abraço do amigo

João Brasileiro


De: Lucia
Para: João Brasileiro
Data: Terça-feira, 20 de Outubro de 1998 16:05
Assunto: Re: Favela Bairro

João,

Acredito que você quase conseguiu entender o que eu disse. A Lei Orgânica prevê a urbanização de favelas aonde é possível. Mangueira é uma delas. É inconcebível a remoção atualmente dessas e outras. O fato de eu estar questionando as favelas em área nobre é que o Plano Lucio Costa (que fez a urbanização do Recreio, Barra, Jacarepaguá, Itanhagá) prevê extensa área para serem construídas casas populares, apesar do local ser nobre,justamente para não haver as invasões de canais, lagoas, ruas, etc, áreas aonde é proibida a construção tanto de baixa renda como da classe média e rica, que é aonde a população de baixa renda constrói, simplesmente porque essas áreas destinadas às populações de baixa renda (na estrada dos Bandeirantes, entre o Canal do Rio Morto e a Av. Benvindo de Novaes) estão nas mãos de proprietários e grandes construtoras, quase sem construções esperando a subida de preço para serem negociadas. Não estou dizendo que os pobres não podem morar aqui, mas o caos urbano, a demagogia do Cesar Maia e Conde (assim como de outros políticos, sobretudo do Eduardo Paes) gera dois discursos: um para áreas como a sua (Maracanã) e outro para a Barra da Tijuca (aonde ele expulsou a população de baixa renda para fora do bairro, para áreas bem distantes, como Santa Cruz). O que propomos é que essas favelas pequenas sejam removidas como manda a Lei Orgânica do Município e as leis federais e estaduais, e que sejam construídas casas populares nas áreas destinadas à eles, aliás perto de nossas casas (cerca de 2 km) e feito loteamentos para baixa renda. Não é justo que nós adquirimos nossos lotes baseados num Plano que vigora para o Bairro, sejamos obrigados a seguir a legislação vigente, e pagarmos mais de 1.000 reais de IPTU (o IPTU é calculado conforme a localização do bairro, em Mangueira é muito menor), e de repente nos vemos morando numa rua de favela com oficinas de lanternagem no meio da rua, carpintaria, etc. porque o Imperador Cesar Maia e seu ajudante de ordens Sergio Magalhães assim decidiram. Nós arquitetos do bairro tentamos discutir o projeto Favela Bairro já que não atinge somente a favela mas todo o bairro e eles se recusaram agindo de forma nazista e autoritária. Não só eu, como uma posseira de mais de 20 anos, também pobre, estamos na justiça. E isso está ocorrendo em outros bairros, como na Vila da Penha. Nada disso é dito nos jornais.

Não estou fazendo propaganda do Garotinho. Ele é candidato a governador e não a prefeito, e o Favela Bairro, apesar da promessa mentirosa do Cesar Maia de implantar em outros municípios é de alçada municipal, portanto não pode ser implantado sem a aprovação das prefeituras e do BID, que aliás se recusou a financiar o projeto da Favela Canal das Taxas, tamanha a ilegalidade. Caso você tenha interesse venha aqui no Recreio.

Maria Lucia